BEI e BPI unem esforços para apoiar a inovação em Portugal

BEI e BPI unem esforços para apoiar a inovação em Portugal, disponibilizando até 300 milhões de euros através do «Innovfin Garantia para as empresas de média capitalização» destinado a PME e empresas de média capitalização.

 

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco BPI SA (BPI) deram novos passos no sentido de estreitar a sua cooperação com vista ao financiamento da inovação em Portugal. O banco da UE concedeu ao BPI uma garantia para cobrir parcialmente o risco de crédito de uma carteira de novos empréstimos no valor de 300 milhões de euros para projetos de inovação a concretizar por empresas portuguesas.

O acordo é apoiado pelo instrumento financeiro InnovFin MidCap Guarantee integrado no Horizonte 2020, o programa de investigação e inovação da União Europeia. O objetivo desta iniciativa é facilitar o acesso de empresas inovadoras ao financiamento, disponibilizando uma garantia financeira parcial aos intermediários financeiros parceiros do BEI.

A garantia InnovFin vai assim contribuir para a criação de emprego, já que as PME e mid-caps são veículos fundamentais para o crescimento económico do país. Este acordo permitirá ao BPI financiar uma nova carteira de pequenas e médias empresas inovadoras (com menos de 3000 trabalhadores). O BEI estima que cerca de 80% dos investimentos financiados serão concretizados em regiões de coesão em Portugal.

Integração dos refugiados no mercado de trabalho europeu

Hoje, a Comissão Europeia e os parceiros sociais e económicos da UE[1] assinarão uma «Parceria Europeia para a Integração» que oferecerá novas oportunidades aos refugiados que residam legalmente na UE para a sua integração no mercado de trabalho europeu.

A integração só poderá ser eficaz se todos os intervenientes relevantes desempenharem o seu papel: as instituições da UE, as autoridades nacionais e locais, os parceiros sociais e económicos e as organizações da sociedade civil. A Parceria para a Integração estabelece princípios fundamentais para a integração dos refugiados no mercado de trabalho, incluindo a prestação de apoio nas fases mais precoces, garantindo que a integração beneficiará os refugiados, a economia e a sociedade em geral, e adotando uma abordagem multilateral.

Entre os compromissos adotados pelos parceiros sociais e económicoscontam-se a partilha das melhores práticas no domínio da integração dos refugiados no mercado de trabalho, como, por exemplo, a organização de programas de acompanhamento da sua integração no local de trabalho ou de ajuda à identificação, avaliação e documentação de competências e qualificações. Comprometeram-se igualmente a promover a parceria entre os seus membros, bem como a reforçar a cooperação com as autoridades públicas a todos os níveis adequados. A Comissão Europeia envidará esforços no sentido de, entre outros aspetos, promover sinergias com fundos da UE, assegurar sinergias com outras iniciativas a nível europeu e continuar a trabalhar com os organismos, comités, grupos e redes competentes da UE, bem como com os parceiros económicos e sociais, para apoiar a integração dos refugiados no mercado de trabalho.

20-12-2017

Um Centro de Informação que atua como intermediário entre os cidadãos e a União Europeia ao nível local

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com